Portátil Magalhães cumpre vocação ultramarina e pode chegar à Venezuela

Magalhães cumpre vocação ultramarina e pode chegar à Venezuela” height=”134″ width=”200″ alt=”Portátil Magalhães cumpre vocação ultramarina e pode chegar à Venezuela”/>A fábrica dos primeiros computadores portáteis portugueses a construír no Freixieiro, em Matosinhos não servirá apenas as 500 mil crianças do primeiro ciclo em Portugal. A intenção da joint venture JP Sá Couto/Prológica, com o parceiro internacional Intel, é exportar a tecnologia e os equipamentos, e a Venuzuela pode ser um desses primeiros destinos.

Luís Cabrita, responsável da Prologica, assegurou ao Diário Económico, e à margem da apresentação oficial do programa Magalhães, a sua vocação exportadora, e o primeiro-ministro José Sócrates também confidenciou existirem já contactos com vários países não só para vender o Magalhães mas também o programa.

Um desses países pode bem ser a Venezuela, no âmbito da troca comercial de petróleo por produtos e serviços portugueses. Mas o certo é que a Prologica, pela voz do seu responsável, garantiu estar o consórcio já em negociações com três continentes: África, Europa e América Latina. Sem adiantar qualquer país em concreto, Luís Cabrita espera poder brevemente anunciar uma grande encomenda.

Portátil Magalhães cumpre vocação ultramarina e pode chegar à Venezuela

2 comentários em “Portátil Magalhães cumpre vocação ultramarina e pode chegar à Venezuela

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Voltar ao topo