Portátil Magalhães na Namíbia pelas mão da PT

Portátil Magalhães na Namíbia pelas mão da PT

Magalhães na Namíbia pelas mão da PT” height=”212″ width=”200″ alt=”Portátil Magalhães na Namíbia pelas mão da PT”/>A MTC, operadora namibiana participada da PT (em 34% do seu capital social), assinou há uns dias um acordo com aquele país africano, que permitirá facilitar o acesso à Internet em banda larga através da distribuição pelos estudantes namíbianos do nosso portátil Magalhães. O projecto designado por ConnectED, inspira-se no nosso e-escolas, e vai envolver a distribuição gratuita de 1000 portáteis Magalhães por outras tantas escolas namibianas, bem como a venda de vários outros computadores, a preços subsidiados aos cerca de 25 milhares de estudantes universitários da Namíbia.

Em entrevista conjunta à Agência Lusa, o primeiro-ministro daquele país africano, encostado a Angola, Nahas Angula, e o presidente da PT, Zeinal Bava, afirmaram como sendo o propósito do projecto, a colocação da Namíbia na linha da frente da alta tecnologia no continente Africano.

Este é um projecto piloto muito importante. Queremos que as nossas crianças tenham acesso às tecnologias da informação.

Nahas Angula

Zeinal Bava, por seu turno, acredita que o Magalhães é a melhor solução para a realidade da Namíbia e de outros países africanos. A PT pretende estender o programa a outros mercados africanos onde está presente, como o vizinho Botswana.

O negócio é mais um, que contribui para reforçar os laços entre Portugal e aquele país africano, tanto que levou o governante africano a dizer o seguinte:

Os investidores portugueses são bem-vindos à Namíbia. Temos laços culturais muito antigos com Portugal e existe uma comunidade portuguesa na Namíbia. Para vocês, a Namíbia não é um país estrangeiro.

fonte: Lusa

Um Comentário

  1. Pingback: Magalhães no Brasil pode herdar o nome de Mobo | Portátil Magalhães

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.