Roupa para vestir o Magalhães

Magalhães” height=”211″ width=”211″ alt=”Roupa para vestir o Magalhães”/>Para aqueles que já têm o seu Magalhães (uma minoria), a Throttleman – uma marca portuguesa de roupa dinâmica e actual, desenvolveu uma linha de acessórios denominada Funny. A Throttleman associou-se à JP Sá Couto e já veste o Magalhães. Esta primeira colecção, em jeito de Outono-Inverno, já conta com cinco capas bem coloridas e animadas.

As capas passaram a estar disponíveis nas lojas desde o dia de ontem, a um preço de 14.90 euros.

Para a grande maioria, que gostaria de já ter o seu Magalhães, mesmo que completamente despido destas coloridas capas, resta-nos sugerir, que não tendo o portátil português para “vestir”, aproveitem a promoção de 60% que a Vertbaudet está a fazer nesta época de Natal, e vistam as próprias crianças a preços muito em conta … pode ser que uma roupinha nova e bonita, os possa distrair do Magalhães que já pensavam ter por esta altura.

Technorati : , ,

Mini-Loja: Software educacional Reader Rabbit
Reader Rabbit é uma colecção de software criada em 1986 pela empresa norte-americana The Learning Company (TLC). Sob esta marca existem...
Mini-loja: Software educativo com a Barbie
Quem não conhece a Barbie, a boneca criada em 1959 pela Mattel que faz as delícias das meninas. Nada melhor que a Barbie para as...

11 comentários a “Roupa para vestir o Magalhães”

  1. É uma vergonha o que se está a passar com o Magalhães. Aqui em Ponte de Sôr distribuiram uns quantos, especialmente ciganos e tendeiros. é vê-los com os computadores pelas ruas dando-lhe uso não adequado ao fim dos mesmos. O computador custou-lhes zero euros e o acesso à net é também de borla. A grande maioria vive bem melhor do que eu, têm grandes bombas à porta e a Câmara ainda lhe paga as contas ( rendas; comes e bebes ). Já para não falar do Rendimento mínimo que lhes pagam todos os meses e que lhes dá para viver sem fazer nenhum. Penso que os Magalhães não deviam ser dados, antes faziam parte da escola por forma a que os computadores estivessem na sala de aula e não na mão dos alunos.

    Vou ter de pagar 50 euros, já recebi um sms a pedir o pagamento no prazo máximo de 5 dias, já fui quase insultado pela TMN por nao querer a Internet, enfim siga o regabofe.

  2. Henrique Caetano diz:

    bem isto do magalhães tem sido para atormentar as crianças, depois de ouvir-mos os nossos governantes a afiançar que aos mesmos estão atempadamente nas escolas, pois o mesmo agrupamento de escolas em Vila Franca de Xira, numas já entregou e na da minha filhota ( Escola Alvaro Guerra ) as crianças já nem acreditam no Magalhães para o natal…. é triste quando se vai para os medias dizer que não faltarão e 2 meses passados apóas as subscrições nem magalhães nem nada….. srs. governantes….. coloquem-se no lado das crianças……

  3. Isabel diz:

    Também estou revoltadissima com esta história dos Magalhães. Que nos prometam mundos e fundos e não cumpram já eu, adulta e trabalhadora, estou habituada. Agora quando começam a meter-se com as minhas filhas, a prometerem-lhes pcs, e elas começam a ver os coleguinhas que não têm de os pagar a andar com eles pelo recreio e depois me pedem para eu pagar os computadores porque também os gostavam de ter e eu nem isso posso fazer porque não aparece mensagem para pagar nem sequer parece haver no youtsu rasto do meu pedido…aí sobe-me a mostarda ao nariz.
    A mim parece-me que quiseram foi fazer um brilharete internacionalmente e mais uma vez nos falharam. Mas acho que se esqueceram que no que toca aos nossos filhos, nós somos um povo muito feroz. Se este processo continua a ser injusto como até agora, acho que nem sonham a “guerra” que estão a comprar com os pais…

  4. EUD diz:

    Pois eu recusei a aquisição do Magalhães para o meu filho. – Acho tudo isto uma palhaçada… O Estado, em vez de andar com propaganda barata a dar computadores a uns, a fazer descontos a outros e a vende-los a outros tantos (mais de 50% dos que os recebem gratuitamente, podem mais do que eu que teria de desembolsar € 50), devia era “deslocar-se” às escolas deste país e verificar o que é realmente necessário aos nossos educandos: os professores pedem contribuição monetária aos pais para aquisição de material escolar, para uso dentro da própria escola; pedem papel higiénico; pedem que levem garrafões de água; pedem resmas de papel de fotocópia; etc, etc… o que significa isto?! – Que as verbas para as escolas são escassas, não chegam para metade… Portanto o Estado anda a começar a “casa” pelo telhado… o elementar nas escolas falta e o Estado “distribui” computadores às crianças, para “inglês” ver que nós por cá também somos um povo instruído; dominamos a tecnologia!!! – O mais grave é ainda todo o espectáculo gerado em volta de tudo isto, inciado pelo Sr. Sócrates…. Ele não sabe o que diz; o que faz, mas sabe muito bem o que quer!?

  5. João Pedro de Sousa Ribeiro diz:

    estou muito revoltado porque muitas das escolas de lisboa não têm magalhães incluindo a escola onde o meu filho anda, a escola mestre querubim lapa.esta escola não tem sequer um único magalhães.já que estamos a falar em magalhães podia-me dizer se eles têm entrada para cds,dvds,cds rom,dvds rom,etc..

  6. admin diz:

    João Ribeiro: Não João, o Magalhães não tem leitor/gravador de discos ópticos.

  7. O Meu Eu diz:

    Caríssimos, É tudo uma questão de informação. E como quem tem boca vai a Roma, é uma questão de pesquisar, telefonar, perguntar, … e acabamos percebendo o que se passa. Na verdade, confesso que é mais fácil, muito mais fácil, soltar umas ‘bitaitadas’ do que nos vem à cabeça e do que nos vai na alma, em vez de tentar perceber o que se passa. 1. Relativamente ao que diz o EUD, tem toda a razão quando se refere aos pedidos constantes das escolas, que são uma verdadeira vergonha, mas, caro amigo, e desculpe-me os termos, é muito mais importante investir na educação tecnológica do que ter papel quando se desempenha a nobre função de ‘cagar’ (desculpe, mas é mesmo assim), somente porque eliminar os nossos excrementos, todos eliminamos, com ou sem papel, a pagá-lo ou não, mas sem educação tecnológica o nosso atraso será ainda maior, as perspetivas de trabalho, segurança, estabilidade e futuro dos nossos filhos serão ainda piores; 2. A comunicação social tem um grande, fortíssimo, interesse em criar e alimentar polémicas, única maneira que acham viável para aumentar as audiências e, logo, os proveitos em tempo de crise, pelo que se atiram ao que é imediato, fácil, manobrável, influenciável, mas não se atiram aos grandes anunciantes (tipo bancos e operadores de telemóveis), pois esses são uma parte importantíssima dos seus proveitos e da sua subsistência; 3. O Magalhães é fornecido, e pago, pelas operadoras de Internet de Banda Larga e não pela coitada da empresa que (OK, não tão coitada assim, até certo ponto) assumiu os investimentos e a capacidade para produzir os Magalhães que, até estão em armazém, empilhados, como já se viu numa reportagem na TV, sem que fosse evidenciado tal facto, à espera que as operadoras paguem para as entregas serem efetuadas aos nossos filhos; 4. Há em tudo isto duas grandes doses de inveja, uma bem típica deste povo que nós somos, que não pode ver uma camisa lavada a um pobre, e outra que tem uma forte componente política, porque a Oposição já percebeu que, mal ou bem, o atual Governo, liderado pelo mal-amado José Carlos, está a fazer aquilo que nenhum dos anteriores conseguiu fazer, por anos e anos, embora soubessem que deviam, e, como tal, o Homem vai ganhar as próximas eleições, como é óbvio (e muito mau era para o país e para todos nós se assim não fosse) –atenção, que eu próprio não tenho filiação partidária, sou na verdade apartidário, não escolhi o atual Governo, nem nutro nenhuma especial simpatia pelo Zé Carlos (com o devido respeito), mas que tem estado a ser feito o que é realmente necessário, isso tem; 5. Que o Magalhães projeta Portugal no Mundo, lá isso projeta, e basta também alguma, nem sequer muita, pesquisa na net para perceber isso, e talvez seja isso mesmo que o país precisa neste momento (sem paternalismos nem patriotismos, mas com pragmatismo) de modo a ‘ressuscitar’ esse povo que éramos na Geração Quinhentista, quando tínhamos espírito aventureiro, de risco e, sem receio da nossa pequenez geográfica, partíamos Mundo afora, na verdade Mar afora, direitos ao desconhecido, a descobrir povos, terras, culturas, especiarias, etc, etc, etc –agora somos meramente um povo derrotado e derrotista (embora pareça começar a haver uma inversão da situação, e o Zé Carlos, o Magalhães, e mais vários outros ‘Zés Carlos’ e ‘Magalhães’ que por aí temos tido), com pena de si próprio, como o Calimero, parado à espera que a crise passe, com Sindicatos e Partidos Políticos, e também alguns nódoas Fazedores de Opinião que só sabem é praguejar, muitas vezes sempre a mesma coisa, sem bases, sem soluções e sem alternativas, e depois, de cada vez que alguém ‘esgalha’ uma solução, muito boa ou assim-assim boa, nunca está certo porque ‘havia outras alternativas’, mas não dizem quais, porque o cérebro não lhas discorre (!). Esta é, com toda a franqueza, a minha modesta opinião, informada tanto quanto o possível, e tentando ser positivo. Criticar só por criticar não leva, nem nunca levou a nada. Até à próxima, amigos.

  8. O Meu Eu diz:

    Só para o João Pedro de Sousa Ribeiro :
    Meu caro, é certo que nem todos podemos saber tudo, ou entender de tudo. Mas temos que sempre pensar um pouco antes de avançar com perguntas –é pelo menos isso o que ensino lá em casa à ‘criançada’.
    Então o meu amigo acha que haveria a possibilidade de o Magalhães, pelo preço que custa, ter uma unidade ótica, ainda que fosse somente de CD? O mais próximo que anda no mercado são netPCs, custam pelo menos 300 EUR, não vêm ‘recheados’ de software realmente útil como o Magalhães, nem disco rígido têm na maior parte dos casos (porque a ideia é trabalhar na máquina ligado à net e utilizar programas online, guardar ficheiros online, etc, e pagar por isso, que é uma coisa que a maior parte dos compradores ainda não percebeu) …
    Só um último apontamento : Esse netPCs, que alguns consideram concorrentes do Magalhães, o que, em termos tecnológicos não é sequer verdade, por não ser comparável, têm habitualmente uma unidade de memória estática, como os SD’d que conhecemos, de 2 ou 4 GB, que não dá para nada, e obrigam a utilizar a net para trabalhar sobre programas como o Word, o Excel, etc, e obrigam também a guardar os nossos ficheiros na net. Alguns deles oferecem 10 ou 20 GB de espaço de arquivo online, o que para mim também é muito pouco (só em fotografias de família tenho mais de 80 GB e em ficheiros importantes tenho cerca de 11 GB!). O pior é que, discretamente, não muito explícito, dizem que esse espaço é oferecido pelo período de 1 ou 2 anos … e depois, o que acontece aos nossos ficheiros? Bem, se subscrevermos a tempo a utilização, paga (5 a 20 EUR mensais), desse espaço, continuamos a tê-los disponíveis, caso contrário, … ‘ardeu’, ‘foram’!
    Mas há alguns equipamentos parecidos com os netPCs (Portáteis com LCD’s de 7″ a 10″) que têm disco rígido, só que esses já custam qualquer coisa acima dos 400 EUR e abaixo dos 600 EUR. São coisas diferentes.
    O Magalhães, embora custe mais para a Vodafone, para a TMN, para a Optimus e para ZON, só custa, no máximo, 50 EUR para os pais dos alunos. É bom!
    Um abraço para si

  9. Isabel diz:

    O Meu Eu,

    Não se trata só de criticar nem de tentar pesquisar. Tente, tendo um problema como o meu (em que aparentemente as minhas inscriçoes para o Magalhães (2) se perderam pelo caminho) que alguém lhe dê alguma resposta ou ajude a solucionar o problema e verá o quanto os próprios organismos e instituições envolvidos neste projecto estão desorganizados! Nas últimas 3 semanas tenho telefonado para tudo quanto é empresa envolvida neste projecto, enviado e-mails para todos, para o Min. da Educação, projecto e-escolinhas, para o Operador, para os Distribuidores, enfim…para todo o lado, porque graças a Deus eu mexer sem-me mexer. No entanto, mais pareço um gato a correr atrás do rabo. A linha e-escolinhas diz-me uma coisa e manda-me ligar para o distribuidor…que me manda ligar para o Operador…que me diz que não tem nada a ver com a distribuição e para ligar novamente para a linha e-escolinhas…que depois me diz que eles não podem fazer nada…e para ligar para o distribuidor…que depois me manda ligar para o Operador… e para ajudar à festa, cada vez que ligo, a resposta é diferente porque mesmo dentro do mesmo organismo cada qual dá a resposta que lhes apetece. Não há a minima coordenação. E isso não se admite num projecto desta envergadura e que envolve crianças. Há muitos miudos tristes ao ver os coleguitas no recreio com os computadores. E eu, então, não sei já o que dizer às minhas filhas, porque como a candidatura não aparece e ninguém envolvido no projecto parece estar minimamente interessado em ajudar-me a resolver o problema, não acredito que elas venham algum dia a receber o Magalhães. Não é de uma pessoa se revoltar? Eu pago os meus impostos, não fugo ao fisco, sou uma pessoa certinha e cumpridora das nossas leis e deveres fiscais. Porque carga de água devem as minhas filhas (e outras crianças na mesma situação) serem maltratadas??!! Estou revoltadissima, porque com as minhas filhas, não admito que andem a brincar. O Ministério da Educação devia ter vergonha da forma como este processo está a decorrer e de como está a tratar as crianças e eu vou continuar a criticar até ver as coisas a funcionar devidamente.

  10. elisabete diz:

    olá boa tarde, gostaria de saber onde está á venda as capas para o magalhaes demonstrada ai em cima…

  11. Ana Ruivo diz:

    Hoje dia 04-07-2011, 15.37 horas ainda existem crianças que receberam Magalhães mas que já foram vendidos ou trocados por algo mais apetecível, tudo isto porque não quiseram autorizar que os Magalhães ficassem nas escolas e nunca em mãos menos responsáveis, o programa E.escolinha ficou desvirtuado por políticos que já foram corridos mas que deixaram para traz os vermes que nada ouvem nada decidem nem aceitam opiniões e sugestões.
    Ana Ruivo

Deixe um comentário